domingo, maio 25, 2008

É um pouco como fome



Às dez e dez, todos os dias, ela ouve um som que soa triste aos seus ouvidos. Programa passos, se senta em qualquer cantinho, acompanhada de fones, papel e caneta. Às vezes, derrama algumas lágrimas não-publicadas. Quase nunca levanta o olhar, mas se o fizesse, veria olhos de águia... E até alguma tentativa de aproximação. Mas ela não sabe. Não é explícita, nunca foi, e estar em novos lugares lhe causa calafrios intensos. Se fechar os olhos, ainda consegue sentir alguns abraços e algumas vozes que conhece bem, ainda pode lembrar de quando ela firmava diálogos, de quando gargalhava acompanhada de MPB tocando, não nos fones, mas para elas. Se lembra de quando descia a rampa e ouvia seu nome algumas vezes. Se lembra das fotos que ela não tirou e do barulho dos flashes que à surpreendia. Um pouco mais, e ela se sente jornalista, e tagarela no meio da aula. Lembra do amarelo de todos os dias. Depois ela lembra a pipoca, o brigadeiro, as fofocas. Lembra aos 13, lembra vôlei, lembra clube. Reggae . Desabafo. Lembra principalmente IST, PIMENAF, QUARTETO. Recorda um Teatro ... Mágico ! E sente vontade de voltar e reviver alguns momentos únicos ali, onde ela era criança, adolescente e adulta, numa fração mínima de segundos. É, quem dera poder juntar tudo numa coisa só.
-

♪ O Tudo É Uma Coisa Só - O Teatro Mágico ♫

Um comentário:

Maah disse...

ha se saudade matasse
se o tempo voltasse .

mas... =x

bjo x)