segunda-feira, novembro 03, 2008

-

"Mas eu não posso deixar de acreditar em mim"


-

Quando rabisquei a data de hoje no papel me segurei para não gritar um ''Nãããooo'' desesperado. Que sem dúvidas soou forte dentro de mim. E eu, que agora me via não querendo voltar tornei as lembranças mais fortes por alguns minutos. Mas não é mais só isso, e eu sei. Disse uma vez sobre saber ir da aceitação ao desespero num tempo que nem adiantava caucular, às vezes muito rápido. Outras, quase em séculos. Sim, havia me acostumado. ''Finalmente!'', vibrei internamente. E ainda mais, tratei de me provar com novas experiências. Novissimas, quentes...Maravilhosas. Valia a pena, afinal, me livrar dos sentimentos que as músicas me traziam (ou simplesmente não ouvi-las), esperar a maior idade e gritar ao mundo? Eu? Não, não fazia o meu estilo. Inconseqüente, ansiosa, sonhadora, amante. Esperar nunca foi do meu feitio. Dói despedir muito mais que todas as outras vezes. Adeus? Não, não... Até a próxima, até um dia, até o dia, talvez.

-


Here With Me - Dido

Nenhum comentário: