sábado, novembro 08, 2008

Para eles.


-



Hoje escrever não é tão difícil para mim quanto para vocês, e eu entendo o quanto dói despedir. Entendo de uma forma que talvez nem queira. A dor é incalculável, invade tão bruscamente que é difícil se manter em pé. Acompanhar as lágrimas de vocês me fez sentir o que viveram e ver que não se resume em dias de aula vestidos na farda da Favo de Mel. São momentos únicos. Risadas, segredos, bagunças, histórias... Uma junção, uma família.
Quando a gente tenta de toda maneira se guardar das lágrimas, elas vêm desabando, incomodando, doendo. Separação não deveria existir no dicionário, não deveria se nunca mencionar uma palavra que traz tanto sofrimento. Mas existe. E se existe é para que possamos aprender o quanto cada um é especial na vida do outro, perceber que o amor é um sentimento enorme. Existe para que possamos lembrar sempre daqueles anos como os melhores. Para que possamos crescer com cada abraço, para que possamos amanhecer brilhando mais forte.
É, brilhar. Não deixem nunca que a ausência das presenças desse ano apague o brilho de vocês. Brilhem, brilhem muito. Deixem que a sintonia que cresceu entre vocês faça com que continuem juntos em pensamento, em sentimento. Mas se por acaso um dia a lembrança doer, a saudade apertar, chorem tudo o que tiverem que chorar. Afinal, “A gente corre o risco de chorar um pouco quando se deixou cativar.

Com um carinho eterno,
Eva Cidrack.


-

Nenhum comentário: