sábado, novembro 21, 2009

Por onde a brisa for mais leve.

- Ei, tudo bem com você?

- Tudo sim... tirando algumas coisas do coração. E com você, como vão as coisas? P.s: Adorei o seu texto do whisky.

- Coisas do coração são complicadas mesmo, também ando num turbilhão delas esses tempos. Eu tô bem, tirando o turbilhão, certas horas bem até por ele mesmo...Ah, que bom que você gostou do texto do whisky. Acho que whisky é A bebida pra os textos na vibe daquele... Pra dar coragem, né?! É sempre bom.

- É. Para quem não sentia nada e passa a sentir um pouquinho, é sempre complicado: novo demais assusta.não vejo nome melhor pr'aquele texto do que whisky. Fale um pouco sobre o turbilhão que estais vivendo. Vamos compartilhar de nosso mar agitado.

- Vamos supor que eu esteja num barco, no mar, sabe?! Naquela ideia de navegar eternamente... Mas nós sabemos que muito azul cansa. E eu andei me encantando por algumas ilhas, por uma em especial, só que as ondas do mar me impedem de chegar lá. E me dizem que se eu for, não vai ter volta. Mas me fale de você, agora! De como você anda remando...

- Vamos supor que eu, uma boa capitã de navegação, esteja me perdendo frequentemente sobre as ondas de um mar novo, cheio de mistérios. Não sei pra qual lado seguir, que rumo tomar e sinto que se simplesmente me atirar ao mar, vai fazê-lo recuar mais do que me afogar. Então, paro, analiso, escolho um rumo e continuo perdida. Alguns ventos pareccem soprar a favor, mas é tudo tão duvidoso que não continuo sem saber.
Me sinto menina nesse mar novo. E sinto maldade na alma ao ver uma outra embarcação tentar se aproximar. Eu ainda estou a frente, mas essa nova embarcação me incomoda. Talvez, a solução seja ser pirata. Piratas não precisam de um rumo certo, simplesmente vão atrás do que querem, certo? O que me diz?

- Eu concordo! Até porque, sinceramente... Sempre fui meio pirata!

- E sobre essa ilha encantadora. Prefere se aproximar ou se afastar? Acho que investiria contra as ondas, mesmo que custasse minha embarcação. Sinto que se sua embarcação afundar, terais força para construir uma outra e ainda mais forte.

- Me indentifiquei com o seu "e sinto que se simplesmente me atirar ao mar, vai fazê-lo recuar mais do que me afogar. ". Eu não sei o que prefiro... tenho medo de ser expelida pela ilha. E estar sem barco para voltar ao mar, que talvez já nem me queira navegando por lá... Acho que estamos meio perdidas, não é?

- Estamos completamente perdidas. O que nos resta fazer?

- Que tal vencer o medo?

- Se você se arriscar, eu me arrisco. Até pra não estarmos sozinhas nessa.

- Que tal um whisky?

- Garçom, um whisky para incentivar a coragem dessas duas moças aqui.

02.

- Uma ilha em especial é? aiai.
- Olhe, ilhas tem muitas, mas tem um em especial que é muito atrativa. Acho é meio paradisíaca... E afrodisíaca também, convenhamos.
- E que ilha é essa? Afrodisiaca... nossa!
- É, foda é que eu nem conheço a ilha, e pode ser que ela nao seja nada disso. A ilha nao vem ate o barco, ne? É o barco que tem que ir até a ilha. O medo é ser expelida da ilha, do mar e de tudo mais...

(...)

- Mas eu faria dela uma senhora ilha...

Nenhum comentário: