terça-feira, dezembro 01, 2009

Desabafo não poéticoIII


Sinto náuseas, meu estômago pede à rego e minha mente gira um pouco. Sinto tanta raiva de mim, e de tudo. Sinto vontade de fugir, de correr para algum lugar onde eu seja verdadeiramente livre. Eu não quero nada, nada, nada disso! Eu não aguento mais. Tá tudo tão complicado dentro e fora de mim... Enquanto as minhas lágrimas amarrotam o papel e a música toca nos fones eu me sinto tão fraca, tão pouco querida e desejada, e tudo me parece tão frio, mesmo quando ardo e meu suor me incomoda por demais. Continuo sendo nada mais que uma menina louca que se perde no vento e em alguns copos de cerveja gelada. Gelo para o fogo. Gelo para o ardor que aqui dentro incomoda bem mais do que achei que incomodaria hoje. Talvez eu precise ainda dizer muita coisa, pra muita gente. Ah, quer saber? Dane-se o mundo. Cansei.

Um comentário:

Pâmela Marques disse...

Ah, Eva.
É como me sinto. Ora amor, amor raiva e um pouco dos dois misturados também.
Será que amar é só perder? Se chatear?

Espero que tenhas sorte no amor. Eu venho buscando a minha.

Fico feliz que tenha gostado dos meus textos, rs. Faço-os com verdadeiro amor de amante.