quinta-feira, dezembro 17, 2009

Eu já não quero acordar.
























...me agarra na cintura,

me segura e jura que não

vai soltar.

Eu já não quero um sinal, já não desejo que me diga nada, não quero ouvir. Tenho medo, sabe? Em poucas palavras você pode colocar por água à baixo todos os meus sonhos. E é tão bonito sonhar... Quero mesmo é falar de você e sentir vontade de cantar. E lembrar do teu sorriso lindo, dos teus olhos feito pérola, da tua boca me dizendo que não ia me largar. Enquanto eu, tímida, apenas pensava em mil frases diferentes pra te dizer, não dizendo nada. Talvez nem precisasse, meus olhos lhe diziam tudo. Eu sabia que naquela hora os tais olhos de cigana que você comentou dia desses estavam marejados e sedentos. Sabia que num só olhar eu quase lhe tirava o fôlego e a roupa. E me é bom por demais lembrar de tudo assim, sem mágoa. Sentir subir o calafrio ao lembrar do seu olhar cruzando com o meu quando os acordes do violão tocaram, olhar que permaneceu me seguindo durante a noite, que me conduziu, me prendeu, me controlou. E como num jogo, trocamos de posição muitas vezes. Preciso de muito mais que isso, verdade. Mas quero lhe dizer que esses suspiros não podem passar, e tudo deve permanecer bonito. Pois eu já me cansei da valsa triste, quero tango! Sedutor, quente, inebriante, eterno. Não, não...Eterno é tempo demais. Eu quero o tempo de um passo em duo. E outro, quando os pés sapatearem no salão, pedindo aos corpos que se juntem e se descubram e se envolvam até a nova dança começar.

Um comentário:

Pâmela Marques disse...

Sempre que vejo essa imagem me traz sensações tão boas.
Eu também quero continuar sonhando sabe?! Porque se eu disser qualquer coisa, tenho certeza que ele poderá destruir. Por isso me calo tanto.