sábado, abril 10, 2010

Só mais um minuto.

- Alô.
- Lucas?
- Melissa...
- Não, não fale nada. Não me mande desligar, não diga que já é a terceira, quarta, quinta vez, porque será a última, mesmo. Por favor, não diga que eu nunca mudo. Não diga que eu pareço sumir da sua vida mas sempre volto atrás. Eu preciso te dizer, me deixe falar. Porque dessa vez eu quero dizer tudo, de alma pra alma. Você lembra daquele dia em que eu te falei todas aquelas coisas? O meu bafo era de alcool além da medida, eu sei. Mas nem assim eu disse tudo que queria. Porque não quis me mostrar frágil, não quis ir além da minha superioridade, do meu quilate. Não quis me rebaixar e dizer: Eu estou apaixonada por você. Porque sabe, Lucas, quando você me dissesse não, ia ser por muito mais coisas, e eu sabia que não podia suportar. Só que hoje eu acordei assim, louca de vontade de dizer as coisas de uma vez, acabar com esse nó no peito. Eu quero me livrar disso, e por esse motivo é que preciso colocar tudo pra fora de uma vez. Não foi você quem me mandou seguir outros rumos? Pois é. A casa está vazia, todos acabaram de sair, eu quis ficar só. Antes pensei que poderia te ver, e quase aceitei ir também, mas não. Preferi me enrolar no edredon e tomar o meu chocolate quente em paz. Minha mãe provavelmente te encontrará. Ela vai adorar encontrar você, porque como você sabe, ela tem tanto carinho por você que quase me causa ciúmes, e nem sei dizer de qual dos dois. Ela vai te chamar pra vir aqui em casa passar o dia comigo, vai te chamar de pequenino e te fazer mil e um mimos. Você ficará vermelho e dirá que não, como sempre.
-Melissa, eu...
-Não, Lucas, não. Me deixe continuar, eu preciso. Eu preciso te dizer que nunca chorei por ninguém, nunca. E você, como meu melhor amigo, sabe que não foram poucos os homens que cruzaram o meu caminho. Mas nenhum deles me fez chorar. Só que você tem me feito chorar muitas e muitas vezes. Ontem, a minha máscara de durona caiu no meio da sala de estar, eu derramei mais lágrimas do que meus olhos estão acostumados a produzir. Tudo porque você falou bem demais de outro alguém e eu morri de ciúmes. E toda a minha noite foi embalada por sonhos onde os seus cabelos se prendiam nos meus dedos, aliás, não diferente das outras. Já faz mais de um ano que você está aqui dentro, e o que me incomoda é perceber o quanto demora a passar todo esse sentimento. Sabe Lucca... Você me é perfeito. Os teus olhos, o teu corpo, os teus cabelos, o teu sorriso, a tua boca. Tudo, tudo em você parece ter sido esculpido por Deus para chegar o mais próximo da perfeição possível para um humano. O que às vezes penso que você não é. Afinal, deuses são dotados de beleza, não de sentimento. Mas você, Lucca... Você tem sentimentos até demais. Você grita aos quatro cantos um pedido de felicidade. Eu tenho ela nas minhas mãos, guardada só para você. Eu posso te dar um mundo inteiro, te fazer viver muito mais que essas migalhas as quais você já se acostumou a ter.
-Ei...
-Eu sei, eu sei! Não diga. Eu não preciso te ouvir dizendo não de novo, sinceramente. Eu já entendi que você não quer o mundo. Eu já entendi que você não quer ser feliz comigo. Eu sei, Lucas, sei de tudo isso. Mas é que eu queria te dizer pela última vez que você foi, que você é... o amor da minha vida. Que por você eu senti mais do que por qualquer outra pessoa, que por você eu arrisquei o céu, o inferno e todo o resto. Eu só queria dizer que eu te amo, pra sempre.
-Mel...
-Espere, estou quase no fim. Já está na hora, Carlos vem me pegar. É, Carlos. Vamos sair, sim, Lucca. Vamos ao cinema. Sim, eu estou de casaco, não vou congelar de frio dessa vez. Se o filme for bom, depois podemos chamar Clara para ir também, sei que você vai adorar ter a presença dela. É só torcermos para ela não levar o namorado, não é?! A campanhia está tocando. Deve ser Carlos. Me deseje sorte, amigo!

Tum tum tum tum

Do outro lado da linha, Lucas tinha uma expressão que variava entre alívio e desespero. Ele nunca a amara, verdade. Mas sabia que recusar o mundo era muito mais doloroso que aceita-lo.

6 comentários:

Thiago Prado disse...

Lucas não conseguiu dizer nada! =/

Milla disse...

Ás vezes eu penso que essa é a solução, colocar tudo pra fora e não deixar que palavra alguma me segure..Mas tem vezes que sinto medo de me arrepender, de sentir falta, de não ser forte o suficiente..Mas são dias e opiniões que variam te acordo com o passar do tempo e dos sentimentos...Mesmo algumas vezes eu me recusando a sentir isto.

É seu texto me afetou, muito! Amei *-*

beijos

maria eduarda disse...

dói imenso.
mas obrigada pelo seu comentário, adorei este texto, foi a declaração de amor mais linda que eu li. parabéns

jo disse...

«recusar o mundo era muito mais doloroso que aceita-lo.»

nem é preciso dizer mais nada.

está muito bonito e intenso, gostei muito.

Grafite disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariana Pimentel. disse...

Quando eu digo que dizer não dói sim...