sábado, abril 24, 2010

Tudo que pode acontecer com dois bicudos.


"Vai, se você precisa ir."

Havia num belo jardim, um beija-flor. Ele tinha grande amor pelas suas flores e nunca havia pensado em deixá-las. Elas eram lindas, apaixonantes, suficientes para lhe prender a atenção a vida inteira. Até que num dia incomum de sol, apareceu no seu jardim um outro beija-flor. E os outros dele imediatamente brilharam diante da beleza daquele ser que sem pedir licença, invadia o seu jardim. No começo, sentira ciúmes. Quem era aquele que se apossava assim das suas flores? Mas logo cresceu-lhe uma admiração por aquele pássaro lindo...Tão lindo! Ensaiou os passos mil vezes para chegar até o outro, encheu o peito e voou.
Diferente do que achara que iria acontecer, ele lhe foi cordial, perdera a pose. Tornaram-se amigos íntimos, voaram pelos mais diversos jardins. Mas aos poucos, o beija-flor notou que ardia-lhe o peito cada beijo que o outro dava em tantas flores. Escondia dentro de si todo e qualquer desejo pelo amigo, ignorava a vontade que surgia de pedir-lhe para ficarem juntos. Mas o ciúme lhe mordiscava o coração e o fazia tomar o espaço do outro, o impedindo de respirar. Um dia, o outro lhe disse:
- Amigo, preciso ir.
O coração do pássaro gelou. Já não sabia como voar novamente, havia se acostumado com a companhia do dele. Sentia por ele um amor que nunca havia sentido por nenhuma flor.
- Mas por que tens de ir?
- É que a sua proteção...
- O que tem a minha proteção?
Ele virou-se, mostrando-lhe as asas. Elas estavam machucadas, sagravam, estavam cheias de fraturas.
- A sua proteção está me cortando as asas, machuca-me.
O pássaro abaixou a cabeça, rubro de vergonha. Admitia que tinha prendido por demais o outro, que precisava voar.
- Vai, vai-te embora. Quando quiser, volta. Eu estarei aqui. - Ele disse, tentando controlar as lágrimas que já lhe desciam fartas pelas penas.
O belo beija-flor foi-se, deixando-o com um vazio imenso e o medo de não conseguir nunca mais voar. Nunca lhe dera a oportunidade de dizê-lo o quanto o amava, o quanto desejava as suas cores e sonhava com as suas asas. Durante meses, o esperou voltar, mas desistiu de esperar. Aprendeu que beija-flores foram feitos para beijar flores. E dois bicudos, meu amor... Dois bicudos não se beijam.

7 comentários:

Doce Nostalgia disse...

Que texto LINDO!
escrever muito bem moça *-*

Onbrigada pelo o teu comentario no meu blog!!!!^^

Tô seguindo aqui!

Grande beijos!

Milla disse...

Gostei do texto a da sua ideia :) Mostrou muito os sentimentos que vão além dos dois bicudos...

beijos

Paulinha disse...

Bela metafora...
Adoreei :)

Paulinha disse...

Ah, te listei lá no blog :)

téka ~ disse...

"E tudo, tudo isso acontece num lugar pequenininho, que nunca para de bater."

Ná Lima disse...

Que encantador, muito mesmo.
Dois bicudos não se beijam é um ditado antigo e sábio.

Gostei muito daqui, vou voltar mais vezes!

Domi disse...

Que delicado!