domingo, maio 16, 2010

Fique mais.

Baby!
(...)
Dê-me seu relógio
Que eu quero saber
Quanto tempo falta
Para lhe esquecer
Quanto vale um homem
Para amar você?

Eu olho os espaços por entre as grades, vejo as pessoas pequenas lá embaixo. Faz frio, a noite está sem lua e eu, boba, ainda tenho você perambulando pelos meus pensamentos. E eles estão mais confusos do que estiveram durante essas duas semanas complicadas, meu amor. "Meu amor"... Quanto quis te chamar assim, quantas vezes, por descuido, não deixei escapar essa frase e meu segredo se esparramou pelo chão? Algumas milhares. E olhe, ainda quero. Como dizer que não? Não há forma, não há. Se minhas mãos desviam de ti, meus olhos te dizem tudo. Lembro de você reclamando do meu olhar. Dizendo que ele fugia de ti a todo o tempo, carregado de uma mágoa que quase me fez te pegar no colo e te ninar. Sabe, amor, foi de propósito. É que eu não queria que percebesse que eles estavam marejados por eu ter que te arrancar aqui de dentro. É, eu quis te arrancar. Não ria, não, eu estava levando isso à sério. Mas dessa vez foi você quem me quis volta. Obrigada. Obrigada por quebrar o seu orgulho, que eu conheço bem a dimensão e sei que é maior do que qualquer outro que eu já tenha sentido. Obrigada por me permitir abrir o seu coração de levinho, e te descobrir um pouco. Obrigada por me fazer sentir única. Desculpe-me se não pude te dar por inteiro toda a força para quebrar as tuas garras de fera. Eu juro que quis ser a sua mudança, o seu motivo para seguir em frente. E me doeu um tanto absurdo saber que você não quer mais tentar. Porque sabe, eu não queria ir embora. Queria ficar e tentar, queria lutar por esse propósito ao seu lado. Queria entender a sua angústia, curar a tua dor. Lembra de quando você falou sobre voltar depois do voo? Eu quis te dizer que eu ainda estava lá. E quando você disse que não valia a pena, eu quis dizer que pra mim, vale sim. Porque eu amo você. E esse motivo te faz importante e grande na minha vida, esse motivo me faz não conseguir desistir. Algo seu me puxa como um ímã, e me faz querer habitar um lugar bem maior aí dentro. Eu não sei o que é essa força invisível, mas sei que ela existe. Eu sei, você sabe. Então fique, por favor, não desista agora não. Dessa vez eu te levo nas costas pelo meu caminho, para que você não canse do seu. Nós sempre revezamos em tudo, não é mesmo? Eu quero revezar, dividir e multiplicar o teu sentimento. Porque ele existe, e é meu. Talvez não seja tão concreto assim pra ser chamado de amor. Mas é apaixonante. E foi por ele que eu me apaixonei, com todos os defeitos, todas as garras, todos os detalhes. Foi ele que me chamou atenção, exatamente como é. Assim, da mesma maneira que te quero: Inteiro.