quinta-feira, maio 13, 2010

O dia de cinzas (ou a aula de inglês).

"Talvez eu volte
Um dia eu volto
Mas eu quero esquecê-la
Eu preciso!
Oh, minha grande
Oh, minha pequena
Oh, minha grande obsessão
Minha honey baby
Honey baby, baby, baby."

"He kisses...", a voz do professor soou no meio da sala e a partir dai, já não ouvi mais nada. Me perdi na frase que saiu dos lábios dele e me remeteu diretamente aos seus. Olhei de novo, e ele dizia "When you kiss me...". Quando você me beijou... Tinha rapidez, como se quisesse que tudo terminasse logo. Tanto que não tive a menor chance de lhe mostrar coisa alguma. Teus lábios logo desgrudaram dos meus, e eu desisti, ciente do meu insucesso naquela última vez, naquela última tentativa. Justo a última. Justo aquela em que eu precisava te mostrar que valia a pena ficar. Mas você foi embora sem nem sentir o desgosto do adeus que me disse, sem nem enxergar o mundo que jogava fora. Realmente, não havia nada para ver, se você não havia sentido. Se pela sua desistência eu me disse que deveria te deixar. Eu precisava de tempo, e isso você não me deu. Então o que eu faria ali parada, se mesmo quando tocava os teus cabelos, você recuava e mandava embora o meu carinho? Eu, me sentindo nua, em carne viva, completamente frágil. Com álcool emanando mil fluidos ruins naquela quarta-feira pós carnaval, me fazendo tontear. O que você esperava que eu dissesse? Como você esperava que eu reagisse? Eu queria falar, sim. Mas eu não poderia. Porque ainda que você me permitisse, os teus olhos me repreenderiam, e isso me doeria um tanto incontável. Quis te falar sobre a sua beleza, de como ela me encanta, como me faz sentir mil calafrios seguidos. Quis falar de quando os teus cabelos tocaram os meus lábios, e dizer que queria ter te puxado pelo braço na chuva. Quis te dizer que tive quinhentos pensamentos maldosos enquanto você despejava o doce por sobre a comida e eu fazia brincadeiras bobas. Por dentro, eu ardia, e acho até que você percebeu. Quis te olhar um pouco mais e analisar os seus traços perfeitos. Quis, mas não fiz. Permaneci imóvel e esperei sentada os seus passos se distanciarem e a sua imagem sumir da minha retina e das minhas esperanças.
"Can close your books, and good Monday".

Um comentário:

Milla disse...

Eu sou assim também..Pego uma frase que o professor solta e vou longe naquela ideia. Gostei muito do seu texto :)

beijos