sábado, maio 15, 2010

Please, don't leave me.

"Não tenho nada com isso,
nem vem falar!
Eu não consigo
entender sua lógica
Minha palavra cantada
pode espantar
E a seus ouvidos parecer exótica."

Mas acontece que não posso lhe deixar levar por um papo que não deu, que nunca vai dar em nada. Eu sei, eu sempre fui a mais devassa de todas, a mais louca. Eu sempre fui a única que pularia do barranco por qualquer amor de botequim. Sempre fui a que tragava uns cigarros e fazia umas viagens de vez em quando. Que tudo isso é falta de juízo, eu sei. Mas eu sempre tive um lucro qualquer nesse meio. Ainda que o lucro fosse me manter viva e respirando. Só que você sabe que esse é um beco sem saída, não sabe? Eu sei que você me entende e que pode decifrar o que digo, afinal, sua inteligência sempre foi comentada por todos. E eu te juro, juro que estaria com você em todas essas novas mancadas. Quem sou eu pra lhe falar sobre loucura? Ninguém. Aliás, acho que nada disso estaria acontecendo se eu mesma não tivesse te apresentado esse novo mundo. Mas me parece que você quer levantar voo, e seu voo está longe de mim. Sendo assim, eu já não poderei te socorrer quando cair. Você está esquecendo de mim, por esse seu arco-íris que por enquanto te parece tão bonito de decifrar. E se você for embora, me desculpe, mas eu não vou te seguir.

"Tentei falar, mas você não soube ouvir."

2 comentários:

Mariana Pimentel. disse...

Também torço por uma continuação, Evinha! :) "Tentei falar, mas você não soube ouvir." Lembrei do meu professor de física (parte chata da coisa, risos) que diz que saber ouvir é uma arte. Verdade, verdade...

Milla disse...

As pessoas não dão atenção quando nós queremos falar algo, principalmente quando é algo importante...Saber ouvir quand necessário é algo que poucos sabem fazer, infelizmente :/

beijos