quarta-feira, junho 23, 2010

Como não pensar em você?

"Podia esperar de qualquer um essa fuga, esse fechamento. Mas não em você, se sempre foram de ternura nossos encontros e mesmo nossos desencontros não pesavam, e se lúcidos nos reconhecíamos precários, carentes, incompletos. Meras tentativas, nós. Mas doces. Por que então assim tão de repente e duro, por quê?" {Caio F. Abreu}
(sim, é um texto antigo.)


Eu poderia contar milhares de defeitos em você, milhares. Poderia fazer com eles um livro. E o estranho é que eu te amaria da mesma forma: Intensamente. Você me disse que eu não tenho se quer cinco defeitos, mas não me ama. Numa escala, posso dizer que você foi quem me deu menos carinho em toda essa minha caminhada, mas eu te adoro. Enquanto a sua boca me confessou dia desses que de todos os seus amigos, amores, parentes, eu fui a pessoa mais carinhosa que você já teve, mas você não me quer. Não é estranho que conheçamos tão bem um ao outro e que você me faça estar num podium que se assemelha a perfeição, e eu te veja tão imperfeito? Não é estranho que seja eu quem morre de amores por você? Tenho odiado com todas as minhas forças tudo, tudo isso. Sabe, dia desses eu estava falando com uma amiga sobre a menininha que eu acho linda e estuda numa das salas de baixo. Brinquei: "Quero que minha filha seja exatamente assim", ela achou a menina ridícula, mas me surpreendeu quando disse que mais alguém tinha achado-a linda e que também torcia para ter uma filha assim. Esse alguém era você. Lembra de quando você ficou muitos dias sem aparecer? Antes que pudesse voltar, eu senti que você viria. E o pior é que minha mãe não para de falar o teu nome, e lhe atribuir milhares de qualidades. Seu pai até parou a motocicleta hoje só para perguntar como eu estava e me chamar de "menininha". Por que é que essas coincidências existem? Por que você me é tanto se eu lhe sou nada? E por que é que você não pode ser meu amigo sem acrescentos, sem anormalidades? Não custaria nada se essa força louca deixasse de agir e tentar me mostrar essas impossibilidades de maneira tão possível. Não custaria nada a lua não estar tão linda e não me lembrar você.

Eu queria tanto mudar sua vida...♫

Um comentário:

Humanos Hedonistas disse...

Flor Linda, acho que estamos vivendo a mesma coisa. Descobri que é muito mais fácil rimar Amor e dor que rimar Amor com qualqur outra coisa. Descobri também que todo aquele chiche do texto "filtro-solar" é uma verdade absoluta: "E mesmo que voce se importe, algumas pessoas simplismente não se importarão." E quanto ao Caio, so digo uma coisa: Ele é a PALAVRA.

beijos.

Tâmara.
@intimidade