terça-feira, junho 01, 2010

Eu não aceito.

"E a historia que nem passou por nós direito
ainda, pr'onde é que foi?"

Moço, tenho que contar-lhe uma coisa: Hoje meu dia se resumiu em você. Parece absurdo que isso tenha acontecido, mas eu não pude me conter quando achei algumas das nossas conversas antigas enquanto vasculhava o computador. Foi delicioso relembrar alguns momentos de carinho além do normal para dois amigos firmes como eramos naquela época. Lembrei dos teus comentários sobre o meu olhar penetrante, das nossas brincadeiras quentes, daquela história... Você se lembra? Nós liamos ao mesmo tempo e mandavamos partes que lembravam um ou o outro. Eu vi, nas letras em ítalico, as frases dos personagens que muito bem se encaixariam nos seus lábios, eu tinha absoluta certeza dos teus sentimentos naquela época. Me pergunto em que ponto perdemos o foco. Me pergunto em que momento você deixou de me abraçar todos os dias pela manhã. Me pergunto quando foi que nós deixamos nossos jogos quentes de lado, e quando deixamos de nos chamar por apelidos carinhosos, só nossos. Confesso que lembrei de tantos momentos que os meus olhos quase trairam a minha resistência. É, garoto, acho que chegamos ao fim. E tudo me parece tão ameno que estou quase enlouquecendo. Não é possível! Você não vai gritar comigo e dizer que eu não entendo você? Você não vai me dizer que eu sou uma menina muito muito chata e sair correndo para me pegar no colo depois que eu sair com a cara mais emburrada do mundo? Você não vai me ligar só para dizer que está feliz porque o seu time ganhou o campeonato brasileiro? Você não vai me abraçar e dizer que não vai soltar nunca mais? Será mesmo que é só isso? Que não tem mais jeito? Eu não consigo, não quero, não posso acreditar que você nunca mais vá me dar satisfações sobre a hora de chegar em casa, nem me pedir para não sair. Que você nunca mais vai me perguntar se eu não quero ir dormir com você, e nem me sacanear me chamando pelo segundo nome que eu odeio, me deixando roxa de raiva, só para depois comentar que fico muito bonitinha assim. Eu não aceito que você me cure de você. Não aceito que você jogue fora o seu sentimento por mim e as coisas boas que fomos. Não aceito deixar de ser a primeira garota em quem você pensa quando ouve a palavra "carinho". E eu te digo porque: Pelo simples fato de que eu ainda ter a sua respiração correndo por todos as minhas veias, e saber que uma parte do meu coração ainda bate do teu lado esquerdo do peito.

Nenhum comentário: