sexta-feira, junho 11, 2010

Eu (s)em você.

(Texto escrito em Lauro de Freitas, numa noite fria.)
Só porque você não veio dormir comigo hoje, a noite foi perfeita. A lua está cheia, grande, linda. Fui ao teatro e assisti uma peça que tenho certeza que você adoraria. Pensei em você todo o tempo, te senti ao meu lado, tive vontade de tê-lo comigo. Depois cogitei a ideia de você não ter vindo por vontade sua, e ri lembrando da sua raiva quando expressei dúvidas em relação a sua vontade. Não tenho culpa se você não a expressa, menino. "Meu menino", eu digo, me deliciando com a ideia de te sentir um pouco meu, e com a sua concessão. Ao chegar em casa vesti-me com a roupa que vestiria se você estivesse aqui, ela tem escrito "be my valentine" em letra manuscrita. Você não é meu namorado, verdade, e talvez eu nem te queria assim, dessa maneira séria. Gosto do nosso jogo intenso, só queria tê-lo mais vezes, mas devo me acostumar. Me acostumar em não te mostrar e não te dizer o quanto penso em você, o quanto enlouqueço com a lembrança da sua voz no meu ouvido, do teu abraço, dos teus olhos, das tuas curvas. Me conformar em não te dizer que estou pateticamente apaixonada por você, meu amigo. Então fecho os olhos e penso: "Dorns bien, mon bebé", e já não preciso de mais nada além dos meus sonhos proibidos para descansar.

Um comentário:

maria eduarda disse...

está fantástico !
obrigada pelo teu comentário :) e continua a escrever