quinta-feira, agosto 12, 2010

Como se fosse possível musicar o que há por dentro.

"Não há palavras pra explicar o que eu sinto..."

Não há. Eu tentei, tentei expressar em palavras toda essa sensação estranha que tem me adentrado esses dias, inútil tentativa. Não sei explicar o que passa por aqui. Não quis dissertar mais um desabafo, mais um BsemP, um Deve ser tudo uma questão de auto-estima. Tenho tido pensamentos maus. Não por mim, juro. Passo os dedos por sobre os livros na prateleira, busco alguma poesia que me identifique. Cyrano de Bergerac, Dom Casmurro. Pronto, eram meus eus em obras. Fui me lendo naquelas angústias, como quem pede para a dor doer. Murro em ponta de faca, entende? Verdade cara à cara, feito tapa. Ofereço as duas faces, corpo inteiro. Machuca. Prefiro assim. Nua e crua sobre isso aqui dentro que me molda essa diferença constante. Isso que é meu, nasceu comigo. E não morrerá porque é tudo aquilo que sou: Barquinho de papel, naufrágio, restos, pó.

"Sou uma gota d'água, sou um grão de areia."

2 comentários:

Viiviih M. disse...

Mas tudo passa,e amanhã mesmo que demore muito,não será mais o mesmo.
Bom texto,mas prefiria que não se sentisse assim.
Amo o seu blog,seguindo...
segue?
http://viiviihmdiario.blogspot.com/
Beijoos:*

deh ramos disse...

somos tudo e nada ao mesmo tempo; temos e tememos.. nao existe palavras para explicar o que sentimos porque nada registra o momento presente. deixe-me explicar: o que sentes agora, nao é o mesmo de um segundo atrás, nem de um segundo após (:

gostei daqui!