quarta-feira, setembro 15, 2010

Encontro.

Bárbara andava pelas ruas solitárias da sua cidade, quando ela apareceu.

- Que triste você está hoje, Bárbara.
- Senhorita consciência! Já imaginava você por aqui. É, estou um pouco triste.
- O que houve, meu amor? Do que você precisa?
- Sinceramente?
- Sinceramente.
- De alguém que me chame exatamente assim.
- Então, qual o problema?
- O problema é que preciso que vá além dos meus sonhos bobos.

Foi então que ela sumiu, e Bárbara se viu ainda mais só. Insaciável, incompleta. Com a vida de pernas pro ar. Pendurada numa forca pela velha corda "problemas internos", apoiada no banquinho "problemas externos". Se pulasse do banquinho, seria enforcada imediatamente pela corda. Bárbara chorava, até quase desidratar. Depois voltava para casa com os mesmos olhos inchados de sempre. Pedia a rego e dormia fingindo nunca ter sentido nada daquilo.

Nenhum comentário: