terça-feira, agosto 16, 2011

That's over, baby?

"É muito difícil aprisionar os que tem asas", me veio instantaneamente a frase do Caio Fernando ao pensamento, e eu quase pude ouvi-lo falar. Mas me percebi tola por achar que o problema fossem só as tuas asas, eu sabia que havia algo mais. Você me pediu um tempo, me disse que voltaria, pediu que eu ficasse. Só que eu sou imediatista, meu bem. Eu preciso de respostas rápidas, no ato. Eu não sei esperar que o tempo resolva nada. Apesar disso, eu ainda estou aqui. Talvez porque maior que o meu imediatismo seja o meu sentimento, ou simplesmente por não ter conseguido entender ainda que você estava mentindo. Você me disse "não pense que o que eu te disse não era verdade, porque é", e eu quis acreditar, entende? Eu quis acreditar nos teus olhos. Eu quis acreditar no teu toque. Eu quis acreditar em você. Até que eu acordo de manhã e tudo se desmorona num segundo. E talvez nesse momento, pela primeira vez, eu comece a pensar em outra rota. Meus pés instantaneamente levantam-se da cadeira, minhas mãos como que sozinhas rabiscam palavras num papel. Escute, vou-me embora. Preciso arrumar uma bagunça tamanha e cuidar um pouco de mim. Mas deixo telefone e endereço, pro caso de você se resolver por voltar.

Nenhum comentário: