segunda-feira, maio 04, 2015

Estrangeiro regresso

O homem do outro lado da linha fala sobre um universo psicodélico e imaginário. Ela procura não se importar. Faz de conta que ri e disfarça o coração aos pulos. Eles não podem notar. Ele fala de amor com propriedade, enquanto ela o vê despido, frágil, entregue. Ele é só desespero e lágrima. Esbraveja palavras sobre ausência, como quem se justifica pela vida inteira. É tarde demais, ele sabe, ela sabe.

- Quando você falar com alguém, diga: ele me amou demais. Ele foi a pessoa que mais me amou na vida.

 Enquanto os soluços tomam a sala, ela fuma o ultimo cigarro. Pigarreia. Respira fundo.

 - Eu te amo, filha.

Silêncio. Fim.

Nenhum comentário: